Bem-vindos!!!!

Este blog foi criado para professores de 4º e 5º ano que encontram dificuldades para achar atividades. Algumas são criadas por mim e outras selecionadas dos grupos que participo. Se alguma atividade é de sua autoria me escreva para que dê os devidos créditos. Revise o conteúdo antes de utilizar.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Teatro


TEXTO 1 – Leia a seguir o trecho que inicia o texto teatral “Pluft, O Fantasminha”, de Maria Clara Machado.
PLUFT - Mamãe!
MÃE - O que é, Pluft?
PLUFT - (Sempre com a boneca de pano) Mamãe, gente existe?
MÃE - Claro, Pluft. Claro que gente existe.
PLUFT - Mamãe, tenho tanto medo de gente! (Larga a boneca)
MÃE - Bobagem, Pluft.
PLUFT - Ontem passou lá embaixo, perto do mar, e eu vi.
MÃE - Viu o que, Pluft?
PLUFT - Vi gente, mamãe. Só pode ser. Três.
MÃE - E você teve medo?
PLUFT - Muito, mamãe.
MÃE - Você é bobo, Pluft. Gente é que tem medo de fantasma e não fantasma que tem
medo de gente.
PLUFT - Mas eu tenho.
MÃE - Se seu pai fosse vivo, Pluft, você apanharia uma surra com esse medo bobo.
Qualquer dia destes eu vou te levar ao mundo para vê-los de perto.
PLUFT - Ao mundo, mamãe?!
MÃE - É, ao mundo. Lá embaixo, na cidade...
PLUFT - (Muito agitado vai até a janela. Pausa) Não, não, não. Eu não acredito em
gente, pronto...
MÃE - Vai sim, e acabará com estas bobagens. São histórias demais que o tio Gerúndio
conta para você.
(Pluft corre até um canto e apanha um chapéu de almirante)
PLUFT - Olha, mamãe, olha o que eu descobri! O que é isto?!
MÃE - Isto tio Gerúndio trouxe do mar.
(Pluft fora de cena continua a descobrir coisas, que vai jogando em cena: panos,
roupas, chapéus etc.)
PLUFT - Por que tio Gerúndio não trabalha mais no mar, hem, mamã?
MÃE - Porque o mar perdeu a graça para ele...
PLUFT - Vamos brincar, tá bem? Finge que eu sou gente. (Veste-se de fraque e de cartola)
MÃE - (Sem vê-lo) Chega de fazer desordem, meu filho. Você acaba acordando tio
Gerúndio. (Ela olha para o baú)
PLUFT - (Pé ante pé, chega por detrás da cadeira da mãe e grita) Uuuuh! (A mãe leva
um grande susto e deixa cair as agulhas e o tricô) Eu sabia! Eu sabia que você também
tinha medo de gente. Peguei! Peguei! Peguei mamãe com medo de gente... Peguei mãe
com medo de gente!...
MÃE - (Procurando de gatinhas os óculos e o tricô) Pluft, você quer apanhar? Como é
que eu posso acabar o meu tricô para os fantasminhas pobres, se você não me deixa trabalhar?
(A mãe volta à cadeira bufando e Pluft volta à janela pensativo).

Desvendando Teatro (www.desvendandoteatro.com)

ESTUDO DO TEXTO

1 – Que características do texto de Maria Clara Machado indicam que ele é um texto teatral?

2 – Releia a última rubrica. Que informação ela nos dá?

3 – Pluft é um fantasminha que tem medo de gente. Qual foi a reação da mãe ao perceber o medo do filho?

4 – Pluft diz que sua mãe também tem medo de gente. Como ele chegou a essa conclusão?

5 – Observe o trecho que foi adaptado de Pluf, O Fantasminha:

            Pluft é um fantasminha que tem medo de gente. Ele tem um tio chamado Gerúndio que trabalhava no mar.
           
            Agora imagine que o trecho fosse alterado da seguinte maneira:

            Pluft foi com o seu tio para a cidade. Visitaram o mar e encontraram algumas conchas que levaram para a sua mãe de presente.

Releia os trechos acima e responda.

a)    Em qual deles você percebe que os fatos se sucedem um depois do outro?
b)    Liste os verbos que indicam a sequência desses fatos.
c)    O primeiro trecho é considerado descritivo ou narrativo? Por quê?

6 – O tio Gerúndio era o companheiro do fantasminha. Escolha uma pessoa da sua família que você considera ser sua companheira e escreva um texto descritivo sobre ela. Use adjetivos.

7 – Pinte de verde as afirmações verdadeiras e de vermelho as afirmações falsas.

O texto narrativo mostra características de algo.
No texto descritivo não há sucessão de acontecimentos.
No texto narrativo há mudança de situação e os verbos são de ação.
No texto descritivo há sucessão de acontecimentos.

8 – Reescreva o trecho usando discurso indireto.

- Mamãe!
- O que é, Pluft?
- Mamãe, gente existe?
- Claro, Pluft. Claro que gente existe.
- Mamãe, tenho tanto medo de gente!
- Bobagem, Pluft.
- Ontem passou lá embaixo, perto do mar, e eu vi.
- Viu o que, Pluft?
- Vi gente, mamãe.
- E você teve medo?
- Muito, mamãe.

9 – Imagine a seguinte situação: Mesmo com medo de gente, a curiosidade venceu Pluft e ele foi sozinho à cidade. Lá ele encontrou uma garotinha sentada na praia.
            Pense em como seria a conversa entre eles e escreva um trecho dela, com pelo menos dez falas usando discurso direto.

TEXTO 2

No Reino das pipocas

Era uma vez,
Uma casa redondinha
Onde estavam bem juntinhos        
Os travessos milhozinhos.

Brincavam de rolar
Todos juntos amarelos
Depois começavam pular
E não usavam seus chinelos.

E naquela bagunça toda
O telhado se mexeu
Todas já ficaram brancas
E a garotada apareceu

Um cheirinho bem gostoso
Um gostinho especial
Quem não gosta de pipoca,
Vai brincar lá no quintal.


10 – O autor rima os sons de algumas palavras. Faça listas das palavras que rimam. Atenção para não esquecer nenhuma.
TEXTO 3

Leia o quadrinho para responder à questão.

11 - A graça do quadrinho está

A) nos problemas que enfrentamos no dia a dia.
B) nos problemas do cotidiano que são mais assustadores do que os fantasmas.
C) no Penadinho lendo um jornal.
D) nas expressões dos personagens.

Atividade enviada por Andréia Berreta para o grupo Pedagogia dos Sonhos Possíveis.

5 comentários:

  1. Amei o seu trabalho! Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. obrigado professora Helena...você tem me ajudado muito

    ResponderExcluir
  3. Usei todas as suas atividades elas são muito legais!

    ResponderExcluir
  4. Amei o seu trabalho!!!é maravilhoso!!

    ResponderExcluir
  5. Nossa, voce salvou o meu dia :) PARABENS!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário, é muito importante!!!